"Neste contexto de crise planetária, apelamos a todos os nossos colegas juízes das Américas para que assumam o papel que essa situação nos exige, coordenando esforços, elaborando estratégias e ratificando fundamentalmente, todo dia, nosso compromisso com a dignidade humana e a paz global, bem como com a realização dos direitos humanos em todas as dimensões".

Ciclo de Conferências
sobre colonialismo e neocolonialismo

DA JUSTIÇA E DO BEM COMUM

A colonização de territórios tem um significado histórico preponderante no século XVI. As metrópoles europeias avançam sobre as novas terras, submetem-nas militar e politicamente e iniciam um processo progressivo e ininterrupto de saque material. Depois, nos séculos 19 e 20, houve uma nova e vertiginosa onda de colonização, com características diferentes e novos protagonistas, mas com o objetivo constante de extrair riquezas. Os povos submetidos aos processos de dominação colonial sofreram mutações culturais, sociais, políticas e econômicas. A maioria deles produto de uma dominação violenta e genocida. Trabalho forçado, escravidão, deslocamento territorial e apropriação de recursos naturais foram moeda constante dos colonizadores.
A colonização supôs também a substituição dos modelos sociais originais por modelos concebidos de forma exógena, que legitimaram as dominações e dominações sob diversos argumentos.
eles criaram novos paradigmas axiológicos de acordo com suas próprias necessidades. A superioridade racial, a suposta civilização e a religiosidade, foram alguns dos argumentos usados para consolidar o avanço das práticas coloniais. As instituições indígenas foram aniquiladas e junto com elas todo o pensamento e a tradição ancestral que supunham equilíbrios particulares entre os povos e As ideias de justiça e de bem comum que reinavam nos territórios ocupados antes das conquistas foram suprimidas e substituídas pelas ideias “iluminadas” dos poderes centrais.

Mais informação

COLONIALISMO FLYER.jpg
desigualdad.jpg

Uma nova doença:
desigualdade e assimetria

Os Juízes e Juízes do Comitê Pan-Americano de Direitos Sociais e Doutrina Franciscana, alertam que uma terrível doença avança no mundo, quase como um vírus, sobre o qual pouco se fala, mas que mata muito mais que o SARS-COv-2: é DESIGUALDADE, ASSIMETRIA; e solicitam reformas tributárias urgentes que impactem com precisão e eficácia na sorte das minorias para gerar recursos destinados à satisfação das necessidades básicas.

Ver documento

Solidariedade com os povos originários do Peru

O Comitê Pan-Americano de Juízes pelos Direitos Sociais e Doutrina Franciscana, tendo recebido um pedido de apoio de Organizações de Povos Indígenas ou Nativos e Afro-peruanos, manifestou sua profunda solidariedade aos Povos Indígenas ou Nativos e Afro-peruanos, que fazem mais 30% da população do Peru, e tem uma longa história de luta por seus direitos e construção de uma sociedade plural

ver documento

COLOMBIA.jpg

Condenação da situação de violência e violações dos direitos humanos na Colômbia

O Comitê Pan-Americano de Juízes de Direitos Sociais e Doutrina Franciscana, em face dos graves acontecimentos ocorridos na irmã República da Colômbia, condena a situação de violência e violações sistemáticas dos direitos humanos, bem como a repressão estatal indiscriminada; assim como sustenta que é inaceitável a conduta de setores que geram violência com a intenção velada de desestabilizar um governo democraticamente eleito pelo povo colombiano. O canal de oposição às reformas, obviamente impopulares e que violam os direitos sociais, não é a violência indiscriminada per se.

Ver documento

V

Detectar e neutralizar a lawfare

Em junho de 2019, por ocasião da primeira Cúpula Pan-Americana de Juízes, realizada na Pontifícia Academia das Ciências, o Papa Francisco expressou sua preocupação “por uma nova forma de intervenção exógena nos cenários políticos dos países, através do uso de meios indevidos procedimentos legais e tipificações judiciais ". Acrescentou que “a justiça, além de colocar em sério risco as democracias dos países, costuma ser utilizada para minar os processos políticos emergentes e tende à violação sistemática dos direitos sociais”. O Sumo Pontífice afirmou que “para garantir a qualidade institucional dos Estados, é imprescindível detectar e neutralizar este tipo de prática, que resulta da atividade judicial indevida em combinação com operações multimídia paralelas”.

ver documento

carta papa vacunas.jpg

Carta do Papa Francisco: Condena veementemente aqueles que "acumulam vacinas"

O Papa Francisco enviou uma carta ao Dr. Roberto Gallardo, Presidente do Comitê Pan-Americano de Juízes pelos Direitos Sociais e Doutrina Franciscana, agradecendo o Comitê por seu trabalho, compartilhando sua preocupação com os mecanismos de produção, comercialização e distribuição de vacinas contra o vírus causador da doença COVID19, e na esperança de que a comunicação do Comitê Pan-Americano à Organização Mundial do Comércio e à Organização Mundial da Saúde contribua para garantir que as vacinas e os medicamentos cheguem a todas as pessoas, independentemente do país a que pertencem.

Ver documento

A falsa tensão entre as leis
da propriedade intelectual e os direitos à saúde e à vida

O Comitê Pan-Americano de Juízes pelos Direitos Sociais e Doutrina Franciscana expressou sua preocupação com a falta de disponibilidade, acessibilidade e acessibilidade das vacinas contra Covid-19 para toda a população mundial, especialmente para as pessoas mais pobres. No documento intitulado "A FALSA TENSÃO ENTRE O DIREITO À PROPRIEDADE INTELECTUAL E OS DIREITOS À SAÚDE E À VIDA", solicita expressamente à Organização Mundial do Comércio que dê uma resposta favorável, e imediatamente, à proposta da Índia e da África do Sul de isenção de a execução, aplicação e cumprimento de algumas obrigações do Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio, no que se refere a patentes de vacinas.

Ver documento

saludvida.jpg
videoconferencia Francisco.jpg

Papa Francisco para juízes e juízes
da América e da África: nova justiça social e propriedade privada

Foi durante encontro virtual organizado pela Copaju, do qual participou a Comissão de Acesso à Justiça do Poder Judiciário.

Por meio de uma mensagem de vídeo enviada do Vaticano, o Papa Francisco invocou os juízes da América e da África para construir uma nova justiça social assumindo que a tradição cristã nunca reconheceu o direito à propriedade privada como absoluto e intocável.

Ver vídeo
Ver documento

Para assistir ao noticiário

Rejeição das práticas persecutórias contra a juíza Valdete Souto Severo

O Comitê Pan-Americano de Juízes pelos Direitos Sociais e Doutrina Franciscana, COPAJU, criado em junho de 2019 juntamente com Sua Santidade o Papa Francisco, torna pública sua posição sobre o pedido de relatórios promovido pelo Corregedor Nacional de Justiça do Brasil, Ministro Humberto Martins, contra Juiz Valdete Souto Severo com base na suposta violação da Lei Orgânica da Magistratura Nacional e da Resolução 305/2019 do Conselho Nacional de Justiça do Brasil. O magistrado publicou, datou

veja o documento completo em espanhol

ver documento completo em portugues

VALDETE SOUTO SEVERO.jpeg
crisis.jpg

Dez reflexos
na crise pandêmica

No marco da crise planetária provocada pela pandemia COVID 19, o Comitê Pan-Americano de Juízes pelos Direitos Sociais e pela Doutrina Franciscana compartilha com o grupo de magistrados de nossas Américas e com a opinião pública em geral, dez reflexões a serem lembradas. no momento da ação judicial, com a esperança fervorosa de que possam ser úteis na tomada de decisões. Os eixos da declaração se concentram em: 1. A Pandemia. 2. As opções falsas. 3. A decomposição do sistema. 4. A morte do direito neoliberal. 5. Os descartados. 6. O DESCA. 7. Distribuição igualitária da riqueza. 8. Nova Democracia e Nova Ordem da Informação. 9. Violência, Racismo e Discriminação. 10. Criatividade.

veja o documento completo

ver documento completo em portugues

Ligue para o Brasil em face da pandemia de COVID-19

Em uma carta endereçada no sábado, 28 de março de 2020, ao Presidente do Comitê Pan-Americano de Juízes e Juízes pelos Direitos Sociais, o Santo Padre esboçou definições importantes do presente e do futuro no contexto da atual Pandemia de COVID19.

ver documento completo em espanhol

ver documento completo em português

bandera brasil.jpg
CARTA PAPA ANDRES.jpg

Papa Francisco alerta sobre o "genocídio viral" e descreve a verdadeira "praga"

do futuro social

Em uma carta dirigida no sábado, 28 de março de 2020 ao Presidente do Comitê Pan-Americano de Juízes pelos Direitos Sociais, o Santo Padre esboçou importantes definições sobre o presente e o futuro no contexto da atual Pandemia COVID19.

veja o documento completo

.

O Comitê repudia a suspensão
pelo juiz Daniel Urrutia Labreaux

Diante da decisão do Tribunal de Justiça de Santiago, com sede em Santiago do Chile, de suspender o Juiz Daniel Urrutia Labreaux por ter resolvido a conversão da prisão preventiva de um grupo de pessoas em prisão domiciliar no âmbito da pandemia covid19 , a COMISSÃO PAN-AMERICANA DE JUÍZES E JUÍZES PARA OS DIREITOS SOCIAIS E A DOUTRINA FRANCISCANA, com sede na Cidade de Buenos Aires e com sede na Pontifícia Academia de Ciências Sociais da Cidade do Vaticano, torna público seu repúdio e exorta AO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO O CHILE como a mais alta autoridade judicial chilena para reverter rapidamente a vergonhosa decisão do tribunal de Santiago.
veja o depoimento completo

Foi constituído
o Comitê Pan-Africano

Durante a Cúpula das Mulheres Juízas e Fiscais Africanas sobre Tráfico de Pessoas e Crime Organizado, realizada em 12 e 13 de dezembro no Vaticano, foi constituído o Comitê Pan-Africano de Juízas e Juízes pelos Direitos Sociais e pela Doutrina Franciscana, formado por sete mulheres: Mina Sougrati (Marrocos), Aubierge Oilvia Hungbo-Kploca (Benin), Agatha Anulika Okeke (Nigéria), Hannah Okwengu (Quênia), Jacqueline Rugemalila (Tanzânia), Audrey Mashigo (África do Sul) e Joyce Kavuma (Uganda). O Papa Francisco assinou o Ato Constitutivo. Estima-se que, durante o ano de 2020, o Comitê Pan-Africano e o Comitê Pan-Americano se juntarão em uma reunião de cúpula e estabelecerão ações conjuntas

Ver mais noticias

O Comitê Pan-Americano olhando para a África

O Papa Francisco e Monsenhor Sánchez Sorondo, juntamente com os membros da Junta Promotora do Comitê Pan-Americano (Roberto Gallardo, Ana Algorta Latorrre, Maria Julia Figueroa Vivas e Tamila Ipema), durante a Cúpula das Mulheres Juízas e Fiscais Africanas sobre Tráfico de Pessoas e Crime organizado (12 e 13 de dezembro no Vaticano).

Ver mais noticias

africa.jpg
sesion_Perú.jpg

Segunda Sessão Peru

No Peru, na cidade de Lima (4 de dezembro) e em Pucallpa (5, 6 e 7 de dezembro), no âmbito do VI Encontro Internacional de Poderes Judiciais e VIII Encontro Nacional de Presidentes de Tribunais Superiores de Justiça e Diretores Distritais de Acesso à Justiça, foi realizada a Segunda Sessão da Junta Promotora do Comitê Pan-Americano de Juízas e Juízes pelos Direitos Sociais e pela Doutrina Franciscana. Os participantes foram Janet Tello Gilardi (Peru), Roberto Andrés Gallardo (Argentina), Ana Algorta Latorre (Brasil), María Julia Figueredo Vivas (Colômbia) e Tamila Ipema (EUA). Daniel Urrutia Laubreaux (Chile) esteve ausente por motivos pessoais, e Gustavo Daniel Moreno (Argentina) por motivos institucionais de seu país.

Ver mais noticias

Carta do Papa Francisco

Por ocasião da Primeira Sessão da Junta Promotora do Comitê Pan-Americano de Juízas e Juízes pelos Direitos Sociais e pela Doutrina Franciscana, o Papa Francisco enviou uma carta aos magistrados pan-americanos e, especialmente, aos juízes brasileiros que participam do Seminário Internacional sobre Independência Judicial e Democracia.Depois de apoiar o Comitê Pan-Americano, destacando “que há muito a fazer e que a tarefa é árdua”, o Santo Padre ratificou sua posição sobre o Poder Judicial diante dos governos que violam os direitos sociais.

Ver mais noticias

carta Francisco.jpg
papa sanchez 2.jpg
Galeria de
Fotos e Vídeos
Uma revisão completa das atividades do Comitê em vários materiais audiovisuais